BrPlot – Encontro de Roteiristas

BrPlot – Terceira edição

Bem-vindos à terceira edição do BrPlot!

 

Anunciar a edição de 2019 desse nosso evento dedicado ao debate do roteiro traz um orgulho enorme e uma satisfação tremenda. Como um personagem, o BrPlot chega a esta edição mais forte, depois de passar por algumas provas de fogo e dilemas desafiadores. Tal qual um protagonista convicto de seu objetivo e com uma disposição enorme para se transformar com os desafios que a vida lhe oferece, estamos revigorados e mais maduros.

 

Acredito que temos uma de nossas mais interessantes edições. Na Mesa de Abertura, dia 3 de outubro, no Espaço Itaú 4 (nossa casa este ano), um debate urgente: a relação entre O Roteirista e o Público. Afinal, é possível pensar que há histórias mais propensas a alcançar um público amplo? Ou é tudo obra de um enorme acaso e sorte? Ou, não importa tanto assim o roteiro, mas a verba de marketing? Para esse debate, três autores experientes e com muitas obras populares no currículo: Tati Bernardi, Paulo Cursino e Patrícia Andrade, mediados pela jornalista Ana Paula Sousa.

 

No dia seguinte, dia 4 de outubro, abrimos espaço para ouvir dos roteiristas a relação deles com os Gêneros Narrativos. Afinal, existe espaço no mercado brasileiro para escrever narrativas de gênero? Para essa mesa, alguns dos autores brasileiros mais profícuos dos últimos anos: LG Bayão, Marton Olympio e Gabriela Amaral Almeida, mediados por Jaqueline Souza. Nesse mesmo dia, convidamos os roteiristas para conhecerem um pouco mais um aspecto extremamente importante da profissão: Os Direitos do Roteirista. Nessa terceira mesa do BrPlot, estarei na companhia da advogada e especialista em Direitos Autorais, Paula Vergueiro, para falarmos sobre o atual momento das nossas reivindicações históricas à luz das associações GEDAR e ABRA. À noite, há ainda a exibição de O Ornintólogo, no Instituto Moreira Salles, com a presença do diretor e roteirista português João Pedro Rodrigues.

 

Seguimos, então, para um dia cheio, com 3 mesas. A primeira mesa do sábado, 5 de outubro, é sobre Chefes de Salas de Roteiro. Essa prática criativa coletiva, cada vez mais comum no ambiente audiovisual brasileiro, merece um pouco mais de troca de experiência. Na mesa, Chico Mattoso, Felipe Sant’Angelo e Jaqueline Vargas, mediados por Duda de Almeida. A segunda mesa do dia, Personagens Reais, Histórias de Ficção propõe uma reflexão aos roteiristas que se veem diante do desafio de trabalhar em projetos de ficção criados a partir de pessoas e histórias reais. Na mesa, Carol Kotscho, Vera Egito e LG Bayão, mediados por Maíra Bühler. E, para encerrar o ciclo de mesas de debate, Originais Brasileiros quer saber onde os autores brasileiros têm buscado inspiração para criar projetos originais e autênticos. Teremos a presença de Felipe Braga, Maria Camargo e Rosane Svartman, com mediação de Aleksei Abib.

 

Como se tudo isso já não fosse suficiente, ainda temos para o domingo uma ótima programação de filmes, em que serão exibidos 3 longas que foram selecionados em versões anteriores do BrLab: O Rifle, As Herdeiras e Todos somos marinheiros.

 

Finalmente, encerramos a programação do BrPlot com um dos nossos maiores orgulhos deste ano: o lançamento do livro com o roteiro de Que horas ela volta?, de Anna Muylaert, em edição especial e, eu diria, histórica, no Cinesesc.

 

Não é difícil notar que nosso setor tem passado por um momento bastante desafiador. A Ancine atravessa um momento delicado, o sistema de financiamento construído ao longo dos últimos anos está em xeque. Como se isso não bastasse, a liberdade dos autores é ameaçada por palavras e gestos de quem deveria defendê-la, como se no país fosse possível um retrocesso criativo ou restrição temática. Mas nós estamos aqui para afirmar que não. A liberdade de expressão é inegociável e a palavra dos autores vai se espalhar, com cada vez mais força. Aqui está uma plataforma livre.

 

Não posso, mesmo, encerrar sem agradecer ao criador do BrLab e pessoa fundamental nessa empreitada toda. Obrigado, Rafael Sampaio, pela sua força incansável, por manter tudo isso em pé, por agregar tanta gente boa em torno de um projeto tão legal.

 

Seguimos, fortes.

 

Um abraço,

Thiago Dottori