APRESENTAÇÃO SPCINE

Spcine e BrLab: Intercâmbio de conhecimento e convergência de ações

Tudo no cinema e no audiovisual começa por uma boa história. Com um argumento original, personagens bem delineados e um tema pertinente, já é possível alinhavar um roteiro, retrabalhá-lo sem reservas e iniciar a caminhada dentro do ciclo de produção. O BrLab nasceu para burilar o principal ativo da obra audiovisual, a espinha dorsal de onde outros eixos se desdobram, e dar subsídios técnicos para o seu desenvolvimento como linguagem e modelo de negócio.

A Spcine se orgulha em ser parceira do evento pela terceira vez consecutiva. Embora o período seja curto, nós acompanhamos a evolução dos projetos, o surgimento de novas narrativas e a adesão escalonada de proponentes. De um ano pra cá, o BrLab recebeu 84 inscrições a mais, somando 323, o que representa um espectro de produção ainda maior pelo Brasil e pelo continente sul-americano. O audiovisual é um organismo vivo, pulsante, e que, enquanto houver espaços que deem suporte à criatividade, existirá produção.

Dos inscritos, 14 projetos foram selecionados para participar do programa – sete brasileiros e sete estrangeiros. Entre os nacionais, três são genuinamente paulistas e um, uma coprodução Rio-São Paulo. A conta reflete a força da produção criativa de São Paulo, conhecida em território nacional como um celeiro de bons roteiros.

Em 2016, o BrLab vem com uma novidade, fruto da parceria com a Spcine. Trata-se do LAB Spcine, um formato de workshop que a empresa paulista passa a assinar em eventos audiovisuais patrocinados ou apoiados por ela mesma. A proposta da atividade no BrLab é capacitar produtores iniciantes para o mercado cinematográfico internacional. O encontro vai colocar os realizadores frente a frente com profissionais especialistas no assunto. Entre eles, Rodrigo Teixeira, Paula Cosenza, Sandro Fiorin, Tatiana Leite e Diana Almeida. É uma iniciativa enriquecedora que coloca em ação uma das frentes da Spcine, a de formação, considerado um gargalo histórico do setor.

2016 tem sido um ano de fôlego. Depois de um 2015 intenso, marcado pela inauguração oficial da Spcine e a elaboração de suas principais metas, diversas ações e políticas públicas ganharam corpo e começaram a fazer parte do cotidiano da população e dos realizadores. O Circuito Spcine de Cinema entregou 18 salas, tornando-se a maior rede de espaços públicos de exibição do país. Mais de 200 mil pessoas já passaram pelas mais de três mil sessões. A São Paulo Film Commission, departamento da Spcine responsável pela centralização dos pedidos de filmagem na cidade, também voou desde que o seu decreto passou a valer, em 16 de maio. Foram mais de 370 solicitações recebidas e 1.679 locações aprovadas. Pelos dados da área, o mercado audiovisual movimentou R$ 193 milhões e gerou 12.862 postos de trabalho. Em paralelo, a empresa municipal seguiu investindo em outras ações, editais e programas de investimento focados em produção, distribuição, games, curtas-metragens e até doctoring para roteiro. Isso sem contar o patrocínio e apoio aos festivais, mostras e eventos do setor.

São números e dados superlativos que atestam a força do mercado e a importância das políticas públicas estimuladas pela Spcine. O BrLab tem um papel fundamental na construção desta trajetória por ser, como já foi dito aqui, o nascedouro das boas histórias. E como se sabe, é onde tudo começa.

 

Alfredo Manevy

Diretor-presidente da Spcine